God's Word to Man

God's Word to Man

by Fr. Rufus Pereira

"This is the Word of the Lord!" That's how the Lector concludes the reading or proclamation of the Scripture Text at Mass, or, to use a more faithful translation of the Hebrew, "This is God speaking". For God our Father who is in heaven comes down lovingly to meet his children on earth and communicates or talks constantly with them, bring them the light of his revelation and offering them a participation in his own divine life, formerly in various ways (Heb. 1:1,2), but now in and through his own Son, who is God's Word to man, for "The Word was made flesh and dwelt among us" (John 1:14). That is why Peter could cry out to him, "Lord, to whom shall we go? You have the words of eternal life!" (John 6:68). He in his turn would send the Holy Spirit from the Father, to teach the Church, the Body of Christ, everything and to remind her of all that Jesus had said (John 14:26). What then should be our attitude to God's Word to us?

The Word of God must be heard and read with reverence:

A striking declaration made by The Dogmatic Constitution on Divine Revelation (Dei Verbum of 1965) is: "The Church has always venerated the divine Scriptures as she venerated the Body of the Lord, ... partaking of the bread of life, ... from the one table of the Word of God and the Body of Christ (DV21). ... Just as from the constant attendance at the Eucharistic Mystery the life of the Church draws increase, so a new impulse of spiritual life may be expected from increased veneration of the Word of God" (DV26). That is why Dei Verbum encourages us to be familiar with the sacred text itself, treasuring it and pondering it in our hearts - as Mary did (Luke 2:19).

We need to listen to its proclamation, for faith comes from hearing the Word of God (Rom. 10:17). If one is not a hearer of the Word of God in his own heart, he can easily become an empty preacher of the Word of God to others. We need toread it silently, interiorizing it, not just for knowledge and messages but for a new encounter with the Lord and for faith in his promises. We need to read itprayerfully, for we speak to him when we pray just as we listen to him when we read the divine revelations. Frequent reading of the scriptures is necessary for, as St. Jerome has said, "Ignorance of Scriptures is ignorance of Christ."

The Word of God must be our home and our daily bread:

It is Peter that reminds his flock, "Your new birth was not from any mortal seed but from the everlasting Word of the living and eternal God" (1 Peter 1:23). We need to accept it like a seed that is sown, not in hard pathways or shall or week growing soil, but in rich soil that will allow that seed, so tiny and ugly and seemingly dead, to grow into a mighty explosion of spiritual life and bear fruit a hundredfold (Mark 4:14).

Born a new through the Word of God, we should therefore also live by the Word. It was in rebuttal to the temptation of the devil that Jesus replied, "Man does not live by bread alone but on every Word that comes from the mouth of God" (Mt. 4:4, Deut. 8:3). He obviously referred to the Word of God as our daily food too, when he told his disciples that they should pray like this: "Give us today our daily Bread" (Mt. 5:9,11). Jeremiah had anticipated this prayer when he spoke to God, "When your words come, I devoured them. Your Word was my delight and the joy of my heart" (Jer. 15:16). How admirably then has the Church, mother and teacher, broken and given us this Daily Bread through the skillfully planned Lectionary of the Mass!

Jesus furthermore said to those who believed in him, "You will indeed be my disciples if you make my Word your home, for it is from my Word that you will learn the truth that will make you free" (John 8:31,32). This means that we should immerse ourselves in the Scriptures by constant reading and diligent study. Paul would on the other hand echo and complement this statement when he wrote to the believers, "Let the Word of Christ, in all its richness, find a home with you (Col. 3:16). In his farewell discourse, Jesus would combine both these two beautiful insights of us dwelling in his Word and of his Word dwelling in us, when he promised his disciples, "If you remain in me (the Word) and my words remain in you, you may ask what you will and you shall get it (John 15:7).

The Word of God must enlighten our minds and penetrate our hearts:

Again, the Word of God is looked upon by the Psalmist as "a lamp to my feet, a light on my path" (Ps. 119:105), necessary to discern God's will in every major life situation and thus receive his guidance. But it is regarded at the same time by Scripture as "living and active; sharper than any double-edged sword; judging our secret thoughts, emotions and attitudes" (Heb. 4:12). Thus the words of Peter on Pentecost Day cut his hearers to the heart prompting them to ask, "Brothers, what must we do?" (Acts 2:37). And 3000 of them accepted his word and were baptized (Acts 2:37,41). Therefore Paul charges us to "take the Word of God to use as a sword given by the Spirit" (Eph. 6:17). In the Old Testament God describes his Word even more strongly than being just a light and a sword. "Does not my Word burn like fire? Is it not like hammer shattering a rock?" (Jer. 23:29; cfr Luke 24:32).

The Word of God is both effective and also needs to become operative:

Already in the Old Testament God had assured his beloved Israel that "the Word that goes from my mouth does not return to me empty, without carrying out my will and succeeding in what it was sent to do" (Isaiah 55:11). For example, "He sent forth his Word - and healed them" (Ps. 107:20). And toward the end of his earthly ministry, Jesus assured his chosen ones, the little flock, the New Israel, "Heaven and earth will pass away but my words will never pass away" (Mt. 24:35), reminding us what the prophet had said earlier, "The grass withers and the flower fades, but the Word of God remains forever" (Isaiah 40:8), and what the apostle would say later, "The Word of the Lord, which is nothing else but the Good News that has been brought to you, remains forever" (1 Peter 1:25).

On the other hand, at the conclusion of his Sermon on the Mouth, Jesus had this declaration to make, "Everyone who comes to me and listens to these words of mine and acts on them will be like a sensible man who has laid the foundations of his house on rock" (Mt. 7:24; Luke 6:47). James will later on echo these words of Jesus by his practical admonition, "But you must do what the word tells you and not merely listen to it and deceive yourselves" (James 1:22).

The Word of God is to be proclaimed with authority, power and love:

Finally, it is the Word of God that is the Tool of Evangelization (EN), for after having read and listened to that Word with prayerful attention and having lived and shared it in joyful fellowship, we should then spread it around by proclamation, action and witness - know it, live it and tell it (Acts 2:42-47). God's Word must be proclaimed always, Paul is convinced (2 Tim. 4:2), with himself being punished if he did not preach the Good News (1 Cor. 9:16). However, he warns his flock that there must be "no offering the Word of God for sale, nor being reticent about it, or watering it down, or ashamed of it or deceitful about it" (2 Cor. 2:17; 4:2), but he congratulates them, "You will shine in the world like bright stars because you are offering it the Word of Life" (Phil. 2:15,16).

God's Word needs to be used both with power to rebuke evil and to free the oppressed, as Jesus did in the synagogue with the evil spirit, "Be quiet! Come out of him" (Mark 1:25), as also with compassion to comfort the broken hearted and to assure the sinner, as Jesus did in the house with the paralytic, "My son, your sins are forgiven" (Mark 2:5). God's Word is to be attested above all by one's personalwitness. When Jesus commanded his apostles to love one another, but in the manner he has loved them (that is why he calls it a new commandment), he at once declares, "By this love you have for one another, everyone will know that you are my disciples" (John 12:35).

A Palavra de Deus para o homem 

Padre Rufus Pereira 

"Esta é a Palavra do Senhor!" É assim que o Lector conclui a leitura ou proclamação do texto da Escritura na missa, ou, para usar uma tradução mais fiel do hebraico, "Isto é Deus falando". Por Deus, nosso Pai que está nos céus vem amorosamente do alto para ´nós para encontrar seus filhos na Terra e se comunica ou fala constantemente com eles, trazê-los à luz da sua revelação e oferecendo-lhes uma participação na sua própria vida divina, anteriormente de várias maneiras (Hb 1:1,2), mas agora em e através de seu próprio Filho, que é a Palavra de Deus para o homem, para "O Verbo se fez carne e habitou entre nós" (João 1:14). É por isso que Pedro pudesse gritar-lhe: "Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras de vida eterna!" (João 6:68). Ele, por sua vez enviaria o Espírito Santo do Pai, para ensinar a Igreja, Corpo de Cristo, tudo e para lembrá-la de tudo o que Jesus tinha dito (João 14:26). O que, então, deve ser a nossa atitude para com a Palavra de Deus para nós? 

A Palavra de Deus deve ser ouvida e lida com reverência: 
Uma declaração surpreendente feita pela Constituição Dogmática sobre a Revelação Divina (Dei Verbum, de 1965) é: "A Igreja sempre venerou as divinas Escrituras como venera ela o Corpo do Senhor, ... comermos o pão da vida, ... da uma mesa da Palavra de Deus e do corpo de Cristo (DV21) .... Só a partir da presença constante no Mistério eucarístico na vida da Igreja recebe aumento, portanto, um novo impulso de vida espiritual pode ser esperado de aumento da veneração da Palavra de Deus "(DV26). É por isso que Dei Verbum nos encoraja a estar familiarizado com o próprio texto sagrado, valorizando-o e pensando em nossos corações - como fez Maria (Lucas 2:19). 

Precisamos ouvir a sua proclamação, pois a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus (Romanos 10:17). Se a pessoa não é um ouvinte da Palavra de Deus em seu coração, ele pode facilmente tornar-se um pregador vazio da Palavra de Deus para os outros. Precisamos toread em silêncio, interiorizando-lo, não apenas para o conhecimento e mensagens, mas para um novo encontro com o Senhor e para a fé em suas promessas. Precisamos ler itprayerfully, pois falar com ele quando oramos assim como nós ouvi-lo quando lemos as revelações divinas. Leitura freqüente das escrituras é necessário pois, como São Jerônimo disse: "A ignorância das Escrituras é ignorância de Cristo". 

A Palavra de Deus deve ser a nossa casa e nosso pão de cada dia: 

É Pedro que lembra o seu rebanho: "Seu novo nascimento não era de qualquer semente mortal, mas a partir da Palavra eterna do Deus vivo e eterno" (1 Pedro 1:23). Precisamos aceitar isso como uma semente que é semeada, e não em percursos duros ou deve ou semana crescente do solo, mas em solo rico que vai permitir que a semente, tão pequena e feia e aparentemente morto, para se transformar em uma poderosa explosão de vida espiritual e dar frutos cem por um (Marcos 4:14). 

Nasceu um novo através da Palavra de Deus, devemos, portanto, também viver pela Palavra. Foi em refutação à tentação do diabo que Jesus respondeu: "O homem não vive só de pão, mas de toda palavra que procede da boca de Deus" (Mt. 04:04, Deut. 8:3). Ele, obviamente, se refere à Palavra de Deus como nosso alimento diário também, quando ele disse aos seus discípulos que eles deveriam rezar assim: "Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia" (Mt 5:9,11). Jeremias tinha antecipado esta oração, quando ele falou a Deus: "Quando suas palavras vêm, eu devorou. Sua Palavra era o meu prazer ea alegria do meu coração" (Jr 15:16). Como admiravelmente então, a Igreja, mãe e mestra, quebrado e nos deu este pão diário através do Lecionário habilmente planejado da Missa! 

Jesus disse que, além disso, para aqueles que acreditavam nele: "Você realmente vai ser meus discípulos, se você fizer a minha Palavra sua casa, pois é da minha palavra que você vai aprender a verdade que vos libertará" (João 8:31,32 ). Isto significa que devemos mergulhamos nas Escrituras através da leitura constante e diligente estudo. Paul faria em outro eco mão e complementar esta afirmação quando escreveu aos crentes ", Deixe a Palavra de Cristo, em toda a sua riqueza, encontrar uma casa com você (Colossenses 3:16). Em seu discurso de despedida, Jesus faria combinar ambos estes dois belos insights de nós que habitam em sua Palavra e da sua Palavra que habita em nós, quando ele prometeu a seus discípulos: "Se vocês permanecerem em mim (o Verbo) e as minhas palavras permanecerem em vós, você pode perguntar o que quiser e você deve buscá-la (João 15:7). 

A Palavra de Deus deve iluminar nossas mentes e penetrar em nosso coração: 
Mais uma vez, a Palavra de Deus é encarado pelo salmista como "lâmpada para os meus pés, e luz para os meus caminhos" (Sl 119:105), necessária para discernir a vontade de Deus em todas as grandes situação de vida e, assim, receber sua orientação. Mas ele é considerado, ao mesmo tempo pelas Escrituras como "viva e eficaz; mais cortante do que qualquer espada de dois gumes; julgar nossos pensamentos secretos, emoções e atitudes" (Hb 4:12). Assim, as palavras de Pedro no dia de Pentecostes cortar seus ouvintes para o coração levando-os a perguntar: "Irmãos, o que devemos fazer?" (Atos 2:37). E 3000 aceitaram a sua palavra e foram batizados (Atos 2:37,41). Por isso Paulo nos cobra para "tomar a Palavra de Deus para usar como uma espada dada pelo Espírito" (Ef 6:17). No Antigo Testamento, Deus descreve sua Palavra ainda mais fortemente do que ser apenas uma luz e uma espada. "Não a minha palavra como fogo? Será que não gosta de martelo quebrando uma pedra?" (Jr 23:29; cfr Lc 24:32). 

A Palavra de Deus é eficaz e também precisa tornar-se operativa: 
Já no Antigo Testamento Deus tinha assegurado a sua amada Israel que "a Palavra que sai da minha boca não voltará para mim vazia, sem realizar minha vontade e ter sucesso no que foi enviado para fazer" (Isaías 55:11). Por exemplo, "Ele enviou a sua Palavra - e os sarou" (Sl 107:20). E para o fim de seu ministério terrestre, Jesus assegurou aos seus escolhidos, o pequeno rebanho, o Novo Israel, "O céu ea terra passarão, mas as minhas palavras não passarão" (Mt 24:35), lembrando-nos que a profeta havia dito anteriormente: "a erva seca ea flor murcha, mas a Palavra de Deus permanece para sempre" (Isaías 40:8), e que o apóstolo diria mais tarde, "A Palavra do Senhor, que é nada mais do que o Good News que tem sido trazido a você, permanece para sempre "(1 Pedro 1:25). 

Por outro lado, na conclusão de seu Sermão do Boca, Jesus tinha essa declaração a fazer, "Todo aquele que vem a mim e ouve estas minhas palavras e as põe em prática é como um homem sensato, que lançou as bases de sua casa sobre a rocha "(Mt 7:24, Lucas 6:47). James, mais tarde, em eco destas palavras de Jesus por sua admoestação prática: "Mas você tem que fazer o que a palavra diz a você e não apenas ouvi-la e enganar a si mesmos" (Tiago 1:22). 

A Palavra de Deus deve ser proclamada com autoridade, poder e amor: 
Finalmente, é a Palavra de Deus que é a ferramenta de Evangelização (PT), para depois de ter lido e ouvido que a Palavra com atenção orante e ter vivido e partilhado em comunhão alegre, devemos então espalhá-lo por decreto, a ação e testemunha - conhecê-lo, vivê-la e dizer-lhe (Atos 2:42-47). A Palavra de Deus deve ser proclamada sempre, Paul está convencido (2 Tm. 4:02), com o próprio ser punido se não anunciar o evangelho (1 Coríntios. 9:16). No entanto, ele adverte seu rebanho que deve haver "não oferecendo a Palavra de Deus para a venda, nem sendo reticente sobre o assunto, ou regá-lo para baixo, ou vergonha dele ou enganosa sobre ele" (2 Coríntios 2:17; 4.: 2), mas ele parabeniza-los: "Você vai brilhar no mundo como estrelas brilhantes, porque você está oferecendo a Palavra de Vida" (Fp 2:15,16). 

A Palavra de Deus precisa ser usado tanto com o poder para repreender o mal e libertar os oprimidos, como fez Jesus na sinagoga com o espírito do mal, "Fique quieto! Saia dele" (Marcos 1:25), como também com compaixão para conforto com o coração partido e assegurar o pecador, como Jesus fez na casa com o paralítico: "filho, os teus pecados estão perdoados" (Marcos 2:5). A Palavra de Deus deve ser atestada acima de tudo por sua personalwitness. Quando Jesus ordenou aos seus apóstolos a amar um ao outro, mas da maneira que ele os amou (é por isso que ele chama de um novo mandamento), declara ao mesmo tempo, "por este amor que têm um pelo outro, todo mundo vai saber que você sois meus discípulos "(João 0:35).

Nenhum comentário: