Lindas mensagens

055 Cura Emocional e Física

Cura emocional e física 


A cura de que mais precisamos é a cura espiritual, é a cura que experimentamos e sentimos todo o perdão e amor de Deus em nossa vida. Pecar contra Deus é o maior mal. A cura mais importante que o Senhor nos oferece é a condição de perdoar. Isso acontece quando nos colocamos diante de Deus em um profundo arrependimento. É muito importante fazermos uma confissão profunda e sincera da nossa vida.

Ouça: Padre Rufus afirma que a cura de que mais precisamos é a cura espiritual


A segunda cura de que mais precisamos é a emocional ou interior. A terceira é a cura física, mas é a cura menos importante. Por isso eu nunca faço uma palestra só sobre cura física, porque eu vejo que esta vem quando somos curados interiormente. Precisamos nos libertar da influência que o mal tem sobre a nossa vida. A cura de que mais precisamos é a cura interior, que não é só importante, mas necessária, é a chave para a cura completa.

Quando a gente reza por uma pessoa drogada a primeira cura que a gente faz é a cura interior, para ver o que a levou a se viciar. A pessoa não é curada fisicamente antes de ser curada interiormente.Geralmente as doenças físicas são marcas das doenças interiores.

A cura interior é importante e necessária, todos nós precisamos dela, porque até mesmo Jesus queria ser inteiramente curado. A cura interior é importante porque muitas vezes os remédios não são bons para nós. Mas, por favor, me entendam: a medicina é importante, mas quando os médicos não podem fazer nada, Jesus pode. Por exemplo, tratamentos com psiquiatras, é um tratamento caro e as pessoas pobres não têm acesso a ele, por isso, a cura interior é muito importante.

Eu sempre digo que em toda a paróquia precisava haver tratamento de cura interior porque somos educados de uma forma que nos prejudica. Na nossa árvore genealógica aconteceram fatos que nos causam feridas hoje, e essas coisas permanecem no profundo do nosso ser e do nosso inconsciente.
Como essas coisas podem afetar minha vida hoje? É o que São Paulo nos diz em Romanos 7, 19: “Não faço o bem que quereria, mas o mal que não quero”. Eu disse ontem que a razão pela qual fazemos isso são os nossos pecados, e a segunda razão sãos as mágoas que adquirimos das pessoas, e nós rezamos por cura interior sobre isso.



Imagine uma pessoa que foi concebida fora do casamento em adultério, isso pode afetar a vida dela por muito tempo. Criança prematura, criança que perde o pai ou cujo avô se supõe que tenha cometido suicídio, tudo isso pode afetar a vida da pessoa por muito tempo.

Como eu posso saber e como orar pela minha cura interior? É simples, até os médicos podem usar isso. Primeiro precisamos observar os sintomas internos. Se a pessoa tem dores de cabeça pode ser por algumas razões como: batido a cabeça na parede, ou teve malária, tifo, etc, ou pode ser uma razão emocional como medo de fazer prova. Eu preciso observar cuidadosamente os sintomas, preciso saber quais são os sintomas emocionais.

Eu costumo perguntar quais os sintomas que mais aparecem. Uma pessoa que se sente triste quando está sozinha, ou raiva, é bom sempre sabermos o sintoma que a pessoa tem. É muito importante detectar o diagnóstico correto, mas não podemos parar nos sintomas, precisamos pedir ao Senhor que nos mostre as doenças físicas e emocionais.

Todo o ser humano tem quatro tipos de sintomas. Primeiro sintoma é a rejeição. A rejeição vem quando eu sinto que não sou amado por aquela pessoa que eu espero. Não significa que não me amam, mas eu sinto que não me amam. Talvez essas pessoas não receberam amor, então, não sabem dar amor. Jesus passou por isso: “Jesus veio para os seus, mas os seus não O receberam”. Ele foi levado à morte por causa da inveja dos homens. Mas o que o Senhor disse na cruz mostra a rejeição mais profunda que um homem pode passar: “Meu Deus, meu Deus! Por que até Tu me abandonastes”? Esse é o maior fardo na vida de um ser humano.

Ouça: Padre Rufus explica que até Jesus sofreu rejeição

Uma jovem veio me pedir aconselhamento num retiro na Índia. Todos os jovens tinham a mesma bagagem de vida, pertenciam à classe baixa, vinham de famílias pobres, os pais de quase todos eram alcoólatras e violentos. A jovem me disse que quando era criança o pai abandonou a mãe por causa de outra mulher. A mãe mais tarde encontrou emprego na Arábia Saudita e a deixou com um casal. Depois de 5 anos, quando a mãe voltou de férias, ela já estava com 8 anos e estava ansiosa para abraçá-la. O mês passou e a mãe voltou para Arábia sem a visitar. Enquanto ela me dizia isso toda a tristeza e raiva explodiu e veio à tona em choro de raiva e desespero, lágrimas de dor. Mas o que a Palavra de Deus diz? Ela tem soluções para todos os problemas humanos: “Pode a mãe esquecer os filhos de suas entranhas? E se ela esquecer Deus diz: Eu jamais te esquecerei. Eu já tenho seu nome escrito na palma da minha mão”.

A segunda doença emocional é o sentimento de inferioridade, porque muitas pessoas se sentem superiores a outras e se fecham em si mesmas. Quando as crianças têm sentimento de grandeza ninguém quer ficar perto delas. Talvez um dia uma criança vai ouvir: “Você não é tão inteligente como seu irmão”. Imediatamente ela começa a adquirir um sentimento de inferioridade e começa a ter pena de si mesma e a não gostar de si, e sente vontade de morrer. O suicídio começa com o complexo de inferioridade. A Bíblia diz que ninguém precisa ter sentimento de inferioridade, porque o Senhor nos criou à imagem e semelhança d'Ele (cf. Gêneses 1,26).



O terceiro sentimento emocional que precisa ser curado é o sentimento de culpa. Eu peco e penso que Deus jamais me perdoará. E todos os dias eu penso e sinto sentimento de culpa. E a Bíblia diz em Apocalipse que satanás nos acusa dia e noite diante de Deus, ele nos acusa na certeza de que ficaremos presos pelo resto da vida. Mas o que nos diz São Paulo em Romanos: “Já não há condenação diante de Cristo”. Satanás nos acusa, mas Jesus nos defende diante do Pai.Ouça: Padre Rufus fala do quarto fardo emocional: o medo

O quarto fardo emocional é o fardo do medo. Não estou falando de fardos pequenos. Estou falando de medos que não têm razão de ser, por exemplo, medo de escuridão, medo de pessoas, de multidão, medo de ter câncer e por aí vai...

Quando as crianças dizem que têm medo dos pais, eu fico com vontade de dizer que os pais têm mais medo delas do que elas dos pais. Todas as vezes em que o Senhor aparecia para seu povo, Ele dizia: “Não tenhais medo”. É satanás que coloca medo em nosso coração. Medo e fé não combinam. Muitas vezes medo é sinal de que nossa fé é pequena.

Eu preciso identificar minhas doenças emocionais. Preciso procurar de fato as raízes das causas dos meus problemas emocionais, isso é o mais importante quando falamos da cura interior. Eu ainda não vi nenhum caso de cura interior sem saber as raízes do problema. E só existe uma forma de descobri as raízes: Pedindo ao Espírito Santo que nos revele. Infelizmente as pessoas não procuram pessoas certas para se aconselhar, o Senhor não quer que saibamos do futuro, o que Ele quer é que confiemos n’Ele e coloquemos nosso futuro em suas mãos. Colocar o futuro nas mãos de Deus e não pedir que uma pessoa olhe o futuro em suas mãos.

Só o Espírito Santo que o Espírito da verdade é capaz de descobrir as causas para a sua cura interior, mas precisamos fazer uma análise da nossa vida para descobrir as raízes, e a primeira coisa é preciso passear na árvore genealógica. A Igreja diz que o pecado é pessoal, mas a conseqüência atinge muitas pessoas, de geração em geração. Suponha que um ancestral seu suicidou, eu já vi vários casos assim, outros por causa do aborto e isso vai se repetindo porque uma lá atrás alguém fez aborto e passou de geração. Suponha que tenha alcoolismo ou pessoas que foram depravadas, perderam os bens materiais, ou então nos amaldiçoaram e também todas as gerações que viriam, isso pode afetar toda uma geração.

Eu estava dando retiro para umas irmãs e a madre geral trouxe um bebê de uma mulher que eu já havia rezado por ela. A madre disse que o bebê que tinha nascido há quatro meses não conseguia dormir. É um problema comum na Europa e no Brasil, várias pessoas que não conseguem dormir. O sono é sinal de que Deus está com você. Satanás não dorme, mas Jesus dormiu.



A criança só chorava e se contorcia, levaram o bebê nos melhores médicos e não houve melhora. A mãe me disse que quando estava grávida, ela teve um choque muito grande. Então eu disse que o bebê não seria curado sem oração. E no último dia do retiro os pais trouxeram o bebê, e o que eu fiz? Nem eu sei. Pergunte ao Espírito Santo.

Eu pedi uma das irmãs que pegassem o bebê, pedi paras as 100 irmãs que participavam do encontro rezassem pela mãe e não pelo bebê e eu fui orar pelo bebê. Enquanto oravam pela mãe o bebê parou de chorar e começou a dormir profundamente, eu pensei que o bebê iria acordar, mas ele dormiu.

Uma semana depois eu recebi uma carta de umas das freiras dizendo que a partir daquele dia que o bebê passou a dormir bem.

As raízes podem estar na nossa infância como os abusos sexuais. Tudo isso pode causar os problemas que temos hoje na nossa vida. Uma mulher me disse que foi abusada sexualmente na infância e nunca se confessou porque sentia vergonha e nunca confessaria isso até morrer, mas no retiro sentiu que havia esperança. Até mesmo mulheres casadas, dizem que quando tem relação sexual com seus maridos sentem como se estivessem fazendo coisas erradas. Os casais precisam muito de cura interior.

É importante o arrependimento para a cura interior. Eu estava pregando um retiro e os líderes do grupo de oração me pediram para rezar por um jovem que estava doente. Os médicos disseram que não haviam conseguido descobri o que ele tinha, e os especialistas disseram que não tinha mais nada a fazer.

O jovem se sentiu tão mal e disse: “Eu preciso procurar o padre Rufus”. Eles insistiram comigo e bem tarde eu fui ao hospital e lá estava aquele jovem cheio de aparelho ao seu redor. Eu perguntei: Por que você me chamou? E para minha grande surpresa ele me disse que queria confessar. Eu fiquei com raiva porque ele poderia ter confessado com o pároco e eu não precisava ter saído de tão longe.

Ele fez uma confissão profunda. E quando eu estava saindo do hospital eu senti que Jesus estava me puxando e o Espírito Santo me fez lembrar do paralítico que foi levado a Jesus pelo buraco do telhado, e Jesus sabia que o sintoma da paralisia era emocional e ele precisava de cura espiritual. Por isso disse: “Os teus pecados estão perdoados”, libertação da culpa. Então antes de dizer levante e ande, antes de dizer teus pecados estão perdoados, Jesus disse: “Meu filho”! Era isso que aquele jovem queria escutar, que apesar dos pecados Deus o chamava de filho.

Eu voltei para ao quarto do hospital e disse ao jovem o que Jesus disse ao paralítico, e orei pela cura física dele depois de perdoar os seus pecados. Eu tinha tanta certeza do que aconteceria que eu pedi para ele se mexer - e antes ele não conseguia - eu pedi que o colocassem sentado e falei: Levante e caminhe de um lado para o outro, e ele caminhou. A única coisa que eu não disse foi tome seu leito, mas no outro dia ele foi para casa, e um ano depois eu testemunhei. O jovem subiu ao palco e eu disse: No momento em que ele fez uma confissão profunda de sua vida, ele foi curado fisicamente.

Ouça: Padre Jonas reza ao final desta pregação


Transcrição: Willieny Isaias
Fotos: Natalino Ueda


Adquira essa pregação pelo telefone:
(12) 3186-2600

--------------------------------------------------------------

Padre Rufus Pereira 


Sacerdote da Arquidiocese de Bombaim (Índia). Vice-presidente da Associação Internacional de Exorcistas.

--------------------------------------------------------------

16/09/2007 - 09h00